São muitos os estudos que demonstram que a formação de conexões cerebrais é mais intensa no período entre a gestação e os cinco anos de idade, alicerçadas nas experiências vivenciadas. Em todas as culturas, as crianças se reconhecem, compreendem tempos e espaços, criam vínculos e constroem memórias afetivas por meio da palavra.

É o que escreve Dianne Melo, gestora do Itaú Social, neste artigo sobre a importância da palavra no desenvolvimento cognitivo e afetivo da criança. Para ela, ainda, o desenvolvimento pleno das competências de leitura e escrita são imprescindíveis para o exercício de uma cidadania ativa e crítica.

Leia o artigo publicado nos jornais Diário do Nordeste (Fortaleza) e Correio do Povo (Porto Alegre).